Título da resenha: As inovações na abordagem do ensino de química no cotidiano.

Artigo: Construção e adaptação de materiais alternativos em titulação ácido-base;
Eclética Química, volume 35, número 4, São Paulo 2010;

Referência bibliográfica da obra:

* Nome dos autores: Assumpção, Mônica Helena M. T.; Freitas, Kellen Heloizy G.; Souza, Fernanda S.; Fatibello-Filho, Orlando.;

* Título da obra: Construção e adaptação de materiais alternativos em titulação ácido-base;

* Nome da Editora: Eclética Química;

* Data da publicação: número 4-2010;

* Número de páginas: 6;

“Construção e adaptação de materiais alternativos em titulação ácido-base” (Eclética Química, 2010, 6 páginas), dos autores Assumpção, Mônica Helena M. T.; Freitas, Kellen Heloizy G.; Souza, Fernanda S.; Fatibello-Filho, Orlando, traz um conjunto de ideias criativas para a confecção de materiais alternativos, em substituição de materiais usuais de laboratório. O tema foi escolhido, pela necessidade dos professores em buscar reformular sua prática docente com o uso de experimentos como materiais pedagógicos.

O artigo tem como objetivo principal, incentivar aos professores e alunos que o problema na falta de recursos didáticos no ensino da química, pode ser amenizado se cada um individualmente fizer a sua parte para mudar esta realidade e assim despertar nos alunos o raciocínio, a motivação e a compreensão dos conceitos químicos, na busca de uma construção de uma visão crítica e consciente, revelando assim, que a química está inserida no cotidiano.

Uma das técnicas utilizadas pelos autores no artigo é a titulação, em que através da medição rigorosa de volumes é possível determinar a concentração de uma solução utilizando outra solução, cuja concentração é conhecida (solução padrão). Neste processo adiciona-se uma solução, que é colocada na bureta (titulante), à outra solução que se encontra no erlenmeyer (titulado) ocorrendo entre as duas uma reação ácido-base, até que atinja o ponto final da titulação, sinalizado, por exemplo, pela mudança de cor de um indicador ácido-base ou a formação de um precipitado.

Os instrumentos utilizados para este processo são: balança, bureta e proveta. Portanto, pensando na técnica utilizada pelos autores, já citada acima, a proposta deste artigo foi à construção de uma bureta, com a utilização de materiais simples, tais como: Cabo de vassoura; Tábua de carne de madeira; Garrafas Pet de 250 ml; Copos plásticos de 200 ml; Mangueira de jardim transparente; Régua de 30 cm; Equipo de soro tipo cirúrgico; Balança comercial; Seringa de injeção de 10 ml; Colher de sobremesa; Pisceta farmacêutica; Hidróxido de sódio comercial; Solução de ácido acetilsalicílico comercial e Fenolftaleína, que pode ser encontrado em alguns medicamentos, como: Complexo homeopático Almeida prado n° 46; obesifran, obesifrom,entre outros. Para o procedimento, os autores realizaram primeiramente, um estudo para selecionar quais seriam os materiais mais adequados para substituir erlenmeyers, balões volumétricos, béqueres, espátulas e reagentes como hidróxido de sódio e ácido acetilsalicílico. Para a escolha do erlenmeyer alternativo o material escolhido foi o copo plástico, para o balão volumétrico alternativo foi escolhido uma garrafa pet,e os demais aparatos como espátula, pisceta e béquer foram escolhidos apenas pela semelhança com o material convencional. Assim, uma colher de sobremesa substituiu a espátula, uma pisceta farmacêutica substituiu  a pisceta e um copo plástico substituiu o béquer. Com isso, o aparelho desejado em volumetria ácido-base foi montado com sucesso com os equipamentos propostos pelos autores no artigo, e ao término do experimento, os resultados foram comparados e calculou-se o erro relativo entre os valores obtidos com o aparato construído e o equipamento convencional obtendo-se um erro relativo de 3,1 %, portanto, com isso os autores indicam a utilização da bureta alternativa em experimento de titulação em laboratórios de escolas de nível médio para melhor elucidação da teoria aplicada em aulas de química, já que algumas escolas estão com escassez de materiais usuais de laboratório.

Portanto, os autores através deste artigo, enfatiza o uso de artifícios metodológicos como os equipamentos de menores custos em aulas práticas, não só para a técnica utilizada pelos autores no artigo, mas também para outros experimentos da química, para melhor assimilação e entendimento do ensino de Química, pois os professores ainda encontram-se atrelados a uma metodologia tradicional.

 

 

 

About these ads